terça-feira, 13 de junho de 2017

Henrik Ibsen


Henrique Ibsen nasceu em Skien, pequena cidade do sul da Noruega, no seio de uma família de profissionais da marinha mercante. Passou 6 anos da sua infância, de 1836 a 1842, na situação de grande pobreza devido aos negócios de seu pai não terem corrido de feição, o que o levou a empregar-se, ainda muito jovem, como aprendiz de farmácia em Grimstad. Permaneceu nestas funções até 1849, altura em que entrou para o Curso de Medicina da Universidade de Cristiânia (antigo nome de Oslo). Escrevera, entretanto, o drama em três actos Catilina, inspirado nos estudos que fizera da obra homónima de Cícero. O êxito obtido com esta peça desviou-o completamente do curso de medicina. Em Novembro de 1851, empregou-se como gerente do Teatro de Bergen. Em 1856, teatros noruegueses e suecos apresentaram o seu primeiro drama: O Banquete de Solhang. Em 1857, passou a desempenhar as funções de director do Teatro Norueguês em Cristiânia, tendo feito representar três peças suas, entre as quais A Comédia do Amor. Mas se as suas peças foram um êxito, o mesmo não se poderá dizer do modo como administrou o teatro que acabaria por ir à falência. Tendo tido dificuldade em se empregar, vai para o estrangeiro durante 10 anos, primeiramente para Roma e posteriormente para Dresda. Mandaria, no entanto, as peças que ia escrevendo para o seu país natal. Em 1891, volta à Noruega, fixando-se em Cristiânia. Entre as suas principais ideias poder-se-á referir a suprema importância que deu ao carácter individual da personalidade e a sua crença de que o maior mal que se pode cometer é o da negação do amor. Viu no desenvolvimento e florescimento psíquico do indivíduo a unica esperança de uma sociedade realmente culta, tendo combatido contra o cristianismo convencional em nome de um Cristianismo mais genuino e intenso.

Alguns das suas obras em português apresentam títulos ligeiramente diferentes dos a seguir referenciados. Tal deve-se a opções de tradução do norueguês para português. Por exemplo, a peça Os Pilares da Comunidade já foi traduzida como As Colunas da Sociedade...
Catilina (1849)
O Túmulo do Guerreiro (1849)
A Noite de São João (1853)
A Senhora Inger de Oestrat (1855)
A Festa de Solhaug (1856)
Olav Liljkrants (1857)
Os Guerreiros de Heligoland (1858)
A Comédia do Amor (1862)
Os Pretendentes à Coroa (1864) drama histórico Brand (1866) poema dramático
Peer Gynt (1867) poema dramático
A Liga da Juventude (1869) comédia política
Imperador e Galileu () drama histórico
Os Pilares da Comunidade (1877)
A Casa de Boneca (1879)
Espectros (1881)
Um Inimigo do Povo (1882)
O Pato Selvagem (1884)
Rosmersholm (1886)
A Dama do Mar (1888)
Hedda Gabler (1890)
Solness, o Construtor (1892)
O Pequeno Eyolf (1894)
João Gabriel Borkman (1896)
Quando Andamos entre os Mortos (1899)
Extractos

O presente extracto tem por intuito levar os eventuais utilizadores do Canal de Biografias do Portal O Leme a conhecer um pouco do estilo do autor, constituindo, simultaneamente, um incentivo para uma leitura global. 
Extracto do final do III Acto de OS PILARES DA COMUNIDADE

Esta peça retrata a falsidade em que a nossa sociedade vive,
preocupada essencialmente em salvar a todo o custo as aparências

[...]
Aune entra pelo jardim com Olaf.

BERNICK, dirigindo-se para ele - Olaf !
OLAF - Pai, prometo que não voltarei a fazer isto !
BERNICK - A fugir ?
OLAF - Sim. Nunca mais !...
BERNICK - E eu prometo-te que não voltarás a ter vontade de sair daqui... No futuro poderás viver livremente, não como herdeiro do que fiz, mas como alguém que tem o seu próprio trabalho...
OLAF - Deixa-me fazer tudo o que eu quiser ?
BERNICK - Deixo.
OLAF - Obrigado... Não quero ser pilar da comunidade !
BERNICK - Não ? Porquê ?
OLAF - Porque deve ser muito aborrecido...
BERNICK - Serás o que quiseres !... As coisas devem seguir os seus trâmites... Quanto a ti, Aune...
AUNE - Já sei... Estou despedido...
BERNICK - Não nos separamos... Desculpa...
AUNE - O que ?! O barco não parte esta noite !
BERNICK - Nem amanhã... Dei-te, na verdade, muito pouco tempo... O trabalho deve ser feito convenientemente...
AUNE - E há-de ser, senhor !... Utilizando as novas máquinas...
BERNICK - Sim, mas com consciência... Há muitas coisas que precisam de uma rigorosa vistoria... Boa noite, Aune
AUNE - Boa noite, senhor. Muito obrigado!

Sai pela direita

MARTA - Agora já todos partiram...
BERNICK - E estamos sós... O meu nome já não brilha em letras de fogo... todas as luzes das janelas se apagaram...
LONA - Queres que as acendam outra vez ?
BERNICK - Nem pensar nisso... Onde estive eu ? Ficarão espantados quando souberem. Parece que recuperei os sentidos depois de ter sido envenenado... Sinto que posso ser outra vez novo e forte... Vem cá, Betty ! E tu, meu filho ! Vem para aqui, Marta... parece que não vos vi durante estes anos...
LONA - Acredito... Esta comunidade é quase toda constituída por solteirões... Vêem-se poucas mulheres...
BERNICK - É verdade !... E por essa razão, está decidido, Lona... não deixarás de estar ao pé da Betty e de mim.
SENHORA BERNECK - Não deves sair daqui, Lona !
LONA - Como seria eu capaz de deixar pessoas tão novas que estão prontas para começar agora a sua vida ? Sou a vossa mãe adoptiva... Marta, tu e eu somos duas solteironas... O que é que estás a ver ?
MARTA - O céu está a ficar muito claro... Do lado do mar... O «Palmeira» vai ter boa viagem...
LONA - A bordo haverá pessoas muito felizes !
BERNICK - Ao passo que nós temos à nossa frente um dia de trabalho... principalmente eu... Enquanto vos tiver junto de mim, a vós, mulheres fiéis e verdadeiras, sinto-me bem... Nestes últimos dias aprendi também que são elas os autênticos pilares da comunidade...
LONA - Então aprendeste mal... (Pondo-lhe as mãos nos ombros.) Ouve, os pilares da comunidade são o espírito de justiça e de liberdade.

CAI O PANO

Os Pilares da Comunidade, tradução e introdução de Mário Delgado, Lisboa, Editorial Presença, 1964

Biografia retirada daqui
Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Recomendamos