segunda-feira, 3 de julho de 2017

Amy Smart

Com quase uma década de actividade no cinema, Amy Smart ainda não conseguiu impor o seu talento à frente da sua beleza. Apesar de ainda estar muito agarrada à imagem de "loira californiana",a verdade é que a jovem actriz é muito mais do que isso. Porta-voz de uma associação ambiental, ela consegue ser dos poucos nomes em ascensão de Hollywood com uma verdadeira consciência social...

Esta jovem de signo Carneiro - nasceu a 26 de Março de 1976 - não começou a sua carreira no teatro. Fez-se no cinema!
Inicialmente, Smart era apenas figurante, pois nenhum realizador perdia a oportunidade de aproveitar o seu ar de loira inocente e ao mesmo tempo intrigante. Foi dessa forma que o nome da actriz surge numa serie de pequenos titulos a partir de 1997.
Campfire Tales foi o seu primeiro, mas o primeiro filme de destaque em que o seu nome surge no elenco, é o filme de culto Starship Troopers. Estavamos em 1997 e no mesmo ano ainda entrou em High Voltage. Mas, como sempre, era a sua beleza física e não o talento que lhe garantia os papeis. Seria uma constante até hoje, apesar de muitos criticos serem unânimes ao apontar-lhe um enorme potencial.


Quer 1998, quer 1999 iam ser anos de muito trabalho para Amy Smart, mas um trabalho baseado em pequenas comédias de adolescentes. How To Make The Cruelest Month ou Varsaty Blues são titulos exemplificativos dessa fase.
Em 1999 volta à televisão (tinha tido uma curta presença em 1996) na serie Brookfield, entrando no ano seguinte na mini-serie de sucesso "The 70´s".
Foi a partir deste ano que a sua carreira deu o salto. Porque veio Road Trip, e a celebre cena de nudez que a transformou numa sex-symbol para milhões de teenagers nos Estados Unidos. 


A verdade é que inicialmente o seu papel não era mais do que um contra-ponto feminino á comica actuação de Sean William-Scott e Tom Green. Mas a celebre cena com Breckin Meyer, tornou-se num dos icones do filme e subitamente todos reparavam nela. 
Foi dessa forma que de repente, já havia cada vez mais realizadores a quererem contar com ela para os seus filmes. No ano seguinte entraria noutra comédia delirante, Rat Race e seria a figurante-bonita de Pa Scotland, uma adaptação de MacBeth aos dias de hoje.


O problema, e Amy sabe-o, é que foi o corpo e não o talento que lhe tinham dado essa oportunidade. De facto, desde Road Trip todos os papeis que acabou por representar, resumiam o esteriótipo de jovem desejável. Aconteceria nos anos seguintes e este ano provou não ser exepção. Para além de estar ao lado de Aschton Kutcher em The Butterfly Effect, e de protagonizar Win a Date With Ted Hamilton, foi uma das sex-toys de Ben Stiller e Owen Wilson em Starsky and Hutch. 


Blind in Horizon e Caught in the Act são os seus próximos projectos, uma tentativa mais série de Amy Smart encarar a sua forma de estar no cinema norte-americano. Mas, como disse-mos no lead, o seu papel de estrela não se resume ao passeio da fama. Desde 1998 que ela é a porta voz de uma associação que luta contra a poluição dos oceanos. Já conseguiu convencer alguns colegas a apoiarem o movimento que tem ganho particular apoio junto da ala ecologista de Hollywood. 


Quanto à sua vida pessoal, apesar de surgir como sempre disponivel no ecrãn, a verdade é que desde os 18 anos que mantem uma relação com o também actor, Brandon Williams. 
Com 28 anos, Amy Smart está a caminho de uma encruzilhada. Ou se decide em dar um diferente rumo à sua carreira, enveredando por papeis mais sérios do que meninas de liceu, ou então corre o risco de cair no grupo de actrizes que ficarão apenas na história pelos seus papeis enquanto jovens e bonitas. Esperemos que não seja o caso porque Amy Smart não merece!
Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Recomendamos