quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Russel Crowe

No inicio era um brutamontes que passeava por Hollywood. Hoje é um dos mais respeitados actores de cinema, e um dos maiores nomes da sua geração. Que transformação houve neste australiano para saltar do 8 ao 80 em tão pouco tempo?

Nascido nos antipodas do mundo ocidental, na longinqua Nova Zelândia a 7 de Abril de 1964, hoje o seu nome é incontornável na industria cinematográfica.
Apesar de ser de origem neo-zelandesa, o jovem Crowe foi muito cedo viver para a vizinha Austrália. Razão pela qual muitos hoje o apelidam de australiano em vez de neo-zelandes. Os pais trabalhavam na industria cinematográfica e por isso desde muito cedo que ele também sonhou com um lugar ao sol. Teve uma infancia normal para um jovem dos anos 70 e deu os seus primeiros passos como actor em 1988 numa serie televisiva chamada Living With the Law. Depois disso conseguiu pequenos papeis no cinema local e tornou-se numa estrela em ascensão na Austrália com o seu desempenho em Romper Stompers. Nessa altura dividia o cinema com a sua banda de musica, da qual ainda é membro, os 30 Odd Foot Of Grunts.
Em 1994 o seu nome chegaria aos Estados Unidos pelo seu desempenho em Sum of Us.


Daí até ao estrelato ainda demoraria um bocado, mas Russel já se fazia notar. Encantou Sharon Stone que o escolheu para lutar contra Gene Hackman no delicioso The Quick and the Dead. Depois do seu sucesso no filme de Stone, chegou a altura de dividir o ecrãn com Denzel Washington (com quem lutaria durante dois anos seguidos pelo óscar) em Virtuosity. Mas o seu grande papel chegaria em 1997. O filme era o notável LA Confidential de Curtis Hanson e Crowe brilhou a alto nivel ao lado de Guy Pierce e Kevin Spacey. Aclamado por muitos como o melhor filme do ano, Crowe conseguiu tornar-se num nome consensual. Apesar de haver quem o visse apenas como um bruto vindo da Austrália. Os seus papeis em Breaking Up e Mistery, Alaska, apesar de muito bons, pareciam confirmar essa versão. Até que chegou 1999 e com ele The Insider. A critica rendeu-se ao seu notável desempenho e falou-se em óscar. Conseguiu a sua primeira nomeação mas saiu derrotado pelo amigo Spacey. No entanto a estatueta estava a caminho. No ano seguinte, no épico de Ridley Scott, Gladiator, encantou tudo e todos e consagrou-se como grande actor do virar de século. E pela primeira vez foi eleito o melhor entre os melhores.


Quando muitos pensavam que Crowe poderia deixar a sua carreira ir abaixo em filmes de menor impacto, ele responde com um notável desempenho em A Beautiful Mind. O filme venceu vários óscares mas a Academia não o premiou pelo segundo ano consecutivo por achar que era exagero. Preferiu dar o óscar a Denzel Washington, o grande derrotado por Crowe no ano anterior.
Ainda assim Crowe não baixou o seu nivel. No ano passado foi a estrela soberana de Master and Commander : The Far Side of the World, falhando apesar de tudo a nomeação. Era o recado da Academia. Já tinha tido a sua hora de glória que tão cedo não se repetirá. Mas Crowe faz orelhas moucas disso e continua a encantar com os seus grandes desempenhos. Cinderella Man, filme de Ron Howard, e Eucalyptus são as suas grandes apostas para atacar os óscares em 2005 e 2006. Resta saber se conseguirá convencer Hollywood de que ele é de facto um dos icones actuais do cinema. Quem o conhece e acompanha o seu trabalho há anos, diz que disso não há duvida.



segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Paul Newman

O mais belo actor da história, dono do mais famoso par de olhos azuis de toda a história. Dono de um charme, um fragilidade e uma força sem limites, Paul Newman viveu entre estrelas mas soube sempre superar-se durante cinquenta anos de carreira. Foi também um dos primeiros actores com sensibilidade para se tornar realizador, com o suceso que se lhe conhece.
A carreira de Newman deriva do fim da de James Dean. É lenda, mas é verdade. Herdou o papel de Dean em Somebody Up There Likes Me e afirmou-se de imediato. Depois de contracenar com a mulher da sua vida, com quem se casará no final da rodagem de The Long, Hot Summer, é um inesquecivel Billy the Kid em The Left Handed Gun. Nesse mesmo ano é um poço de emoções contidas em Cat on a Hot Thin Roof, a sua primeira nomeação ao óscar. Em 1960 começa uma serie de papeis inesqueciveis. Primeiro em Exodus, drama sobre a criação de Israel. Em 1961 é inesquecivel em The Hustler, onde joga bilhar como ninguem, e em 1962 é inadjectivável no filme Sweet Bird of Youth. Em Hud, estavamos em 64, completa uma serie de quatro papeis que, na iminência do afastamento de Brando, o tornam na maior estrela de cinema do mundo. Trabalha para Hitchock em Torn Curtain e junta-se a Robert Redford, primeiro em Butch Cassidy and the Sundance Kid e mais tarde em The Sting. Em 1981 Absence of Malice marca o seu regresso em grande, amplamente confirmado por The Veredict no ano seguinte. Em 1985 vence um óscar honorário para, à nona tentativa, conquistar finalmente o ambiciado prémio por The Colour of Money em 1986. Volta em grande estilo em Mr and Mrs Bridges, ao lado da mulher, e consegue um dos seus melhores papeis de sempre em 1994 no filme Nobody´s Fool. A sua última nomeação aos óscares chega como secundário em Road To Perdition. Newman decide então desistir da carreira de actor, dedicando-se á sua indústria de produtos alimentares e à sua equipa de corridas, paixão que alimenta desde jovem. Como realizador estreou-se em 1968 com Rachel, Rachel e é com The Effect of Gamma Rays on Man-in-the-Moon Marigolds e The Glass Menagerie que recebe os aplausos da critica. Continua vivo, e ameaça um comeback com Robert Redford, sabendo-se já que vai dar a voz a um carro de corridas em Cars. Ou seja, o mito continuará vivo!

sábado, 27 de janeiro de 2018

Robert Redford

De actor mais charmoso da década de 60 a patrono do cinema independente nos anos 80. Uma carreira marcada por uma forte consciência social do cinema como instrumento de socialização. Ficou igualmente celebre pelos seus papeis destimos e heroicos, um espelho da forma como encara a vida em Hollywood.

Nasceu numa altura em que a América transbordava confiância. O New Deal tinha resultado, a Grande Depressão era apenas um marco histórico e o futuro parecia promissor. Foi a 18 de Agosto de 1937 na solarenga Santa Mónica na California que nasceu o promissor Charles Robert Redford Jnr.
A infância de Robert não fazia adivinhar o homem em que se tornaria. Era briguento na escola e reprovou várias vezes. Falhou mesmo em entrar na Universidade com uma bolsa devido às constantes bebedeiras que apanhava. A morte da mãe acentuou ainda mais o feitio rebelde do jovem. Foi então que decidiu viver uma vida de artista boémio. Estudou na Pratt Institute of Art e durante algum tempo viveu como pintor de rua em cidades da Europa. Quando voltou aos Estados Unidos foi estudar representação para a American Academy of Dramatic Arts. Nessa altura já tinha casado com Lola van Wanegen. Ela tinha 18 anos, ele 21. Tiveram quatro filhos, um dos quais viria a falecer, antes de se divorciarem em 1985.


Durante a decada de 60 a televisão e alguns papeis no cinema ajudaram a moldar Robert Redford como actor. Tinha talento e o tipico olhar de heroi americano de quem todos gostam. Era natural que o salto para as grandes produções estivesse iminente. E foi assim que em 1969, com 32 anos de idade, se juntou a Paul Newman, uma das maiores referencias de então, para viver as aventuras de Butch Cassidy and the Sundance Kid. Antes disso tinha sido aplaudido entusiasticamente por dois papeis fortes em The Chase, ao lado de Marlon Brando, e em This Property is Condemned, onde se apaixonou por Natalie Wood.
Mas foi o sucesso de Butch Cassidy and the Sundance Kid que ajudaram a fazer dele uma vedeta. Tell Them Willie Boy is Here, The Candidate e The Sting consagraram-no como actor de exclencia. No filme de 1973 de George Roy Hill voltou a brilhar ao lado de Paul Newman. O filme conquistaria vários óscares mas Redford não seria um dos contemplados. O seu único óscar chegaria apenas em 1980 e como realizador do drama familiar Ordinary People.
Antes disso já se tinha consolidado como actor em All the President´s Men e The Three Days of the Condor, dois dos grandes filmes da década de 70.


Como actor só em 1985 voltaria a destacar-se. Foi em Out of Africa, o terceiro filme em que esteve envolvido a vencer o óscar de Melhor Filme. Mais uma vez pensou-se que seria o seu ano. Mas Redford não se preocupava com prémios por essa altura. Estava empenhado em tornar cada vez mais influente a sua organização de apoio ao cinema independente. Em 1980 tinha comprado vários hectares de terrenos no Utah criando a Sundance Film Institute. Desde aí até aos nossos dias que o Festival anual de Sundance tem sido uma rampa de lançamento decisiva para muitos realizadores, actores e argumentistas de grande talento. E tudo isso graças ao enorme esforço de Redford em divulgar o cinema indedenpente norte-americano, mas também o cinema mundial.
A sua paixão pela sua organização fez com que as suas presenças no cinema se tornassem esporádicas. Indecent Proposal, The Horse Whisperer, Last Castle e Spy Game foram algumas das excepções e revelaram-se filmes bastante apeteciveis.
Como realizador, após o óscar no primeiro filme, voltou a conseguir convencer criticos e audiencias em Quiz Show, The Horse Whisperer e The Legend of Bagger Vance.


Robert Redford tornou-se assim num icone para muitos cineastas e argumentistas norte-americanos, que vêm nele um patrono como nunca viram nas grandes produtoras. Ao apostar nos mais fracos mas também naqueles que dentro dos mais fracos se revelam os mais talentosos, Robert Redford acabou de escrever com letras de ouro o seu nome na história do cinema.



quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Ralph Fiennes

Retrata a perfeição do gentleman britânico. Sóbrio até ao extremo, sofredor eterno, as suas performances são sempre coroadas com um não sei o quê de profundidade dramatica. Hoje é um dos maiores actores europeus em actividade, um verdadeiro génio na arte de representar.

Foi o irmão mais velho de um grupo de seis filhos. Nasceu a 22 de Dezembro de 1962 em Suffolk, no sul da Inglaterra. E não acabaria por ser o único Fiennes a tornar-se actor já que o seu irmão mais novo, Joseph e a irmã Martha seguiriam os passos do irmão Ralph. Os pais estavam envolvidos no meio artistico. O pai era fotógrafo e a mãe uma novelista de relativo sucesso.
Desde cedo que Ralph treinou para ser o que é hoje, ou seja, um brilhante actor. Primeiro na escola de Chelsea e mais tarde na Royal Academy of Dramatic Art. Aí estudou até aos 26 anos de idade, altura em que se estreou no Britains Royal National Theater. No ano seguinte passaria para a prestigiada Royal Shakespeare Company. Fez-se no teatro mas desde cedo deu o salto para o cinema. Tinha 28 anos quando se aventurou pela primeira vez nos meandros da sétima arte. Primeiro num telefilme, onde viveu Lawrence of Arabia, e depois em Wuthering Heights, onde foi um Heathclift espantoso. Era uma estreia auspiciosa no cinema britânico.


No entanto a confirmação absoluta do seu talento chegaria com a sua notável performance em The Schindler´s List. Amon Goeth, que acabaria por ser eleito um dos maiores vilões da história do cinema, catapultou-o para a fama nos Estados Unidos, conseguindo a sua primeira nomeação ao óscar. O seu papel principal chegaria no ano seguinte no sucesso de Quiz Show, filme de Robert Redford. Mas o seu papel, o papel que o tornou um icone do cinema britânico, chegaria em 1996 em The English Patient. Aí foi um amante sofredor como nunca, e um heroi sem noção da sua heroicidade. Apesar de nomeado, foi surpreendentemente derrotado por Geoffrey Rush na noite da consagração do filme. Parecia que Hollywood não queria nada com ele.


Desde aí afastou-se o mais que pode das grandes produções. Fez Oscar and Lucinda e The Avengers logo a seguir ao óscar e produiziu Onegin em 1999. Depois de quase três anos de interregno, altura em que se divorciou igualmente, regressou ao seu melhor no filme de David Cronenberg, Spider. Uma interpretação magistral a que se seguiu uma participação surpreendente em Red Dragon, a sequela de Silence of the Lambs. Desde aí, Fiennes tem agendada participações em pequenas produções, ficando a joia da coroa guardada para quando viver a nemesis de Harry Potter em The Goblet of Fire.



terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Nicholas Cage


Poucos o sabem, mas Nicholas Cage é um Copolla. Uma das mais importantes familia da história do cinema nos últimos trinta anos, a verdade é que os Copolla sempre foram para Nicholas um fardo demasiado grande de carregar. Daí um novo sobrenome, uma nova identidade. Só os traços de talento permaneceram.

Californiano de gema, Nicholas Kim Copolla nasceu a 7 de Janeiro de 1964. Filho de um professor de literatura e uma dançarina, foi a herança do nome do tio Francis que lhe viria a moldar a sua paixão pelo cinema. Ao ver os filmes do tio, o jovem Nicholas sentia uma vontade imensa em saltar para o ecran. Com 17 anos abandonou a escola em Beverly Hills e começou a procurar papeis em filmes, sem se preocupar com uma formação na área da representação. Fast Times at Ridgmon High foi o seu primeiro filme, em 1982. Na altura Nicholas era Copolla e não Cage. Tinha 17 anos e queria ser uma estrela.
Foi ao lado do tio, no aclamado Rumble Fish, que começaria a destacar-se. Nesse mesmo ano, 1983, entraria ainda em Valley Girl e afirmava-se como um dos actores promessa do inicio da década. Racing With the the Moon, Cotton Club e Birdy foram três sucessos de 1984. Por essa altura o peso do nome Copolla começava a pesar nas criticas. Por isso, inspirado em Luke Cage, heroi negro de banda desenhada, mudou o nome para Nicholas Cage.


Por essa altura era já um dos nomes mais influentes da jovem representaão norte-americana. Seguir-se-iam sucessos como Pegy Sue Got Married, Raising Arizona, Moonstruck e Never on a Tuesday.
Wild at Heart marcava a sua estreia em grande nos anos 90. Curiosamente o inicio da década não seria tão bem sucedido como o final da anterior, exceptuando Honeymoon in Vegas e It Could Happen to You. Literalmente contra a corrente, chegou o óscar em 1995 pelo seu desempenho em Leaving Las Vegas. Uma vitória surpresa, de facto, e que marcou a viragem na sua carreira.
A partir de 1996 começou a dedicar-se ao cinema de acção, primeiro em The Rock, depois em Con Air e por fim em Face Off, uma trilogia que o tornaram num dos grandes nomes do genero.



City of Angels mostrou um Cage mais melancólico, enquanto que Snake Eyes e Gone in Sixty Seconds recuperavam a aura de action-man. Por essa altura os primos Sofia Copolla e Jason Schwarzman estavam em alta. Já não era o único Copolla em destaque. Foi também por esta altura que conseguiu um dos seus melhores desempenhos em The Family Men, ao que se seguiu o onírico Captains Corelli Mandolin. Uma nova nomeação aos óscares chegaria com Adaptation, mas os filmes de acção dominaram estes últimos anos da carreira de Cage, quer em Matchstick Men, quer em National Treasure.
Para o ano estão já previstas três estreias apeteceveis. Primeiro The Weather Man, e depois Ghost Warrior e Lord of War.


domingo, 21 de janeiro de 2018

Sean Connery

É um mito e ninguém o pode negar. É um grande actor mas já passou para a posteridade como um dos homens mais sexy e charmosos de todos os tempos. Consegue com o seu carisma iluminar uma caverna tenebrosa. Faz o mesmo com os filmes em que entra. Deus pode não ter criado todos os homens à sua imagem e semelhança. Mas se há alguém assim, ele é sem dúvida nenhuma, Sir Sean Connery.


O seu sotaque não engana ninguém. Hoje ele é o maior mito da Escócia. Um embaixador do Império Britânico. Um exemplo a seguir por todos. Celebrizou-se como James Bond mas há muito que conseguiu criar uma identidade afastada da mitica personagem que encarnou pela primeia vez em 1962. Hoje ele é um dos maiores nomes da industria cinematográfica. E um dos actores com mais adeptos em todo o mundo. Incluindo aqui.

Nascido a 25 de Agosto de 1930 em Edinburgh, ele personifica o verdadeiro operário de classe média baixa que encontra sucesso no cinema. A sua infância foi passada entre as ruas da capital escocesa e alguns trabalhos casuais. Depois de ter perdido a virgindade com 11 anos para uma prostituta - um mito que se tornaria cada vez maior com o passar dos anos - aos 16 foi para a Marinha britânica. Quando saiu aceitou posar nu para estudantes de arte para ganhar a vida, e aos 18 anos começou a preparar o fisico para atacar o titulo de Mister Universo. Conseguiu-o em 1950. Depois passou para o cinema de forma gradual. A estreia chegaria apenas em 1954 no filme Lilac on the Spring. Durante os oito anos seguintes faria 20 filmes, dos quais MacBeth, Tarzan e Another Time, Another Place são os mais marcantes. Mas foi ao vê-lo em Darby O´Geel and the Litlee People que o produtor Joseph Brocolli se convenceu que ele era o homem certo para viver Bond, James Bond no seu primeiro filme. Ian Fleming, que tinha escrito o papel a pensar em Cary Grant, queria David Niven. Connery ficou com o papel e Dr. No foi um exito retumbante dando inicio a uma serie que já vai em 21 filmes, dos quais ele protagonizou seis dos mais emblemáticos episódios.
Em 1963 voltou a ser Bond em From Russia With Love e no ano seguinte trabalhou ao lado de Sir Alfred Hitchcock em Marnie. Voltaria nesse mesmo ano a viver 007 no seu mais emblemático filme Goldfinger. Em 1965 faria o seu 4º Bond, Thunderball. Em 1967 faria You Only Live Once, outro filme do agente secreto. Mas por essa altura, ele que estava associado eternamente à personagem, decidiu abandonar o projecto. Foi preciso uma fortuna, e o fracasso que foi o filme com George Lazenby, para o persuadir a voltar em 1971 ao papel. Com 41 anos viveu Bond oficialmente pela última vez em Diamonds Are Forever.


Entretanto Connery procurava criar uma carreira afastada da personagem que o celebrizava. Depois de Marnie fez A Fine Madness, Shalako, Zardoz, Murder on the Orient Express e The Man Who Would be King, mas os filmes não tinham exito a qualquer nivel. Surpreendentemente voltou a viver Bond, de forma não oficial, em Never Say Never Again. Estavamos em 1983 e Connery tinha já 53 anos. Mas convenceu e deixou saudades. A década de 80 viria a revelar-se o oposto dos anos 70. Já maduro e experimentado, conheceu os seus maiores sucessos nos anos seguintes. The Name of the Rose valeu-lhe a primeira nomeação ao óscar, num desempenho marcante, um dos melhores de toda a década. Óscar que chegaria no ano seguinte, mas de secundário, pelo seu retrato de policia honesto em The Untouchables. A consagração de um actor que já então era acarinhado por tudo e todos. Higlhander, Family Business, The Hunting of the Red October, The Russia House e o terceiro episódio de Indiana Jones confirmaram-se como um dos nomes mais celebres do mundo do cinema. A sua imagem de marca era uma longa barba branca e uma careca sedutora - Connery perdera todo o cabelo aos 21 e tivera de usar peruca ao viver Bond - acompanhadas de uma das vozes mais emblemáticas da história do cinema.


Começou a trocar os papeis de protagonista por papeis secundários de grande interesse, desde A Good Man in Africa a First Knight, passando por Robin Hood: Prince of Thieves, The Rock e The Avengers. Deu a voz a um dragão em Dragonheart e ensinou Catherina Zeta-Jones a roubar com classe em Entrapment. Foi ainda o professor de Rob Wallace em Finding Forrester e no ano passado entrou no falhado projecto The League of the Extraordinary Gentleman.
Recusou o papel de Gandalf na trilogia de Lord of the Rings or não querer filmar 18 meses na Nova Zelandia e doou muitos dos seus salários a instituições de caridade. É o maior patrono da Escócia apesar de em 1999 ter sido armado cavaleiro do Império. E acima de tudo é um dos maiores mitos vivos do cinema. Um daqueles mitos que ninguém conseguirá apagar.



sábado, 20 de janeiro de 2018

Insidious: A Última Chave (Trailer Legendado)

Insidious: A Última Chave


Género: Mistério, Terror, Thriller
Data de estreia: 04/01/2018
Título Original: Insidious: The Last Key
Realizador: Adam Robitel
Actores: Lin Shaye, Leigh Whannell, Angus Sampson
Distribuidora: Big Picture Films
País: EUA, Canadá
Ano: 2017
Duração (minutos): 103
Sinopse:
Os criadores da trilogia Insidious, regressam com Insidious: A Última Chave. Neste thriller sobrenatural, que traz de volta Lin Shaye, como a Dra. Elise Rainier, a brilhante parapsicóloga enfrenta, na sua casa de família, a maior de todas as assombrações.

Informação retirada daqui

Três Cartazes à Beira da Estrada (Trailer Legendado)

Três Cartazes à Beira da Estrada


Género: Comédia, Drama
Data de estreia: 11/01/2018
Título Original: Three Billboards Outside Ebbing, Missouri
Realizador: Martin McDonagh
Actores: Frances McDormand, Woody Harrelson, Sam Rockwell
Distribuidora: Big Picture Films
País: EUA, Reino Unido
Ano: 2017
Duração (minutos): 116
Sinopse:
TRÊS CARTAZES À BEIRA DA ESTRADA é uma comédia dramática do vencedor do Oscar Martin McDonagh (EM BRUGES). Depois de meses sem ser encontrado o culpado no caso de homicídio da sua filha, Mildred Hayes (vencedora do Oscar Frances McDormand) faz uma jogada ousada ao alugar três cartazes à entrada da cidade com uma mensagem polémica dirigida a William Willoughby (nomeado para Oscar Woody Harrelson), o respeitado chefe de polícia da cidade. Mas quando o seu adjunto Dixon (Sam Rockwell), um menino da mamã imaturo com uma inclinação para a violência, se envolve, a batalha entre Mildred e a lei de Ebbing, descontrola-se.

Informação retirada daqui

A Hora Mais Negra


Género: Biografia, Drama
Data de estreia: 11/01/2018
Título Original: Darkest Hour
Realizador: Joe Wright
Actores: Gary Oldman, Kristin Scott Thomas, Lily James, Step hen Dillane, Ronald Pickup e Ben Mendelsohn
Distribuidora: NOS Audiovisuais
País: Reino Unido
Ano: 2017
Duração (minutos): 125
Sinopse:
Realizado por Joe Wright, “A HORA MAIS NEGRA” é uma dramática e inspiradora história sobre quatro semanas em 1940, durante as quais a coragem de Churchill para liderar mudou o curso da história mundial.

Informação retirada daqui

A Hora Mais Negra (Trailer Legendado)

Ferdinando

Ferdinando


Género: Animação, Aventura, Comédia
Data de estreia: 21/12/2017
Título Original: Ferdinand
Realizador: Carlos Saldanha
Actores: Filomena Cautela, Tiago Retrê
Distribuidora: Big Picture Films
País: EUA
Ano: 2017
Duração (minutos): 108
Versão: Dobrado
Sinopse:
FERDINANDO conta a história de um touro gigante com um coração enorme, que ao ser confundido com um animal perigoso, é capturado e arrancado de sua casa. Determinado a voltar para a sua família, ele reúne uma equipa totalmente desajustada para esta fantástica aventura. Passado em Espanha, Ferdinando prova que não devemos julgar ninguém pelas aparências.

Informação retirada daqui

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Morgan Freeman


São quarente anos de carreira a brilhar de forma intensa mas sempre extremamente humilde. Considerado durante inumeros anos como o melhor actor negro em Hollywood, viu o jovem Denzel Washington recolher as estatuetas. Para ele ficou uma legião imensa de fãs e a esperança de que um dia a recompensa irá chegar.

Nasceu a 1 de Junho de 1937 em Memphis, Tennessee. Tipico filho do sul, cresceu no grande bairro negro da capital de um dos mais populosos estados do sul. Depois da escola chegou a altura de ir trabalhar. A escolha recaiu na Força Aerea norte-americana onde foi mecânico. Na altura sonhava em ser um dos ases do exército mas depressa se convenceu que teria mais futuro na representação. E assim foi. Depois de entrar em peças de teatro locais, deu o grande salto para a televisão na serie infantil The Electric Company. Durante quinze anos Morgan Freeamn seria mais conhecido pelo seu trabalho nos palcos e na televisão do que propriamente no universo cinematográfico. Em 1981 assumiu-se definitivamente como uma das maiores estrelas negras ao viver Malcom X em The Death of a Profet. Seguiram-se outros papeis cheios de vida como Harry and Son e Marie. Em 1987 chegava a primeira nomeação ao óscar pelo seu papel de chulo em Street Smart. Hollywood estava espantada com o seu talento e começaram a chover papeis. Com 50 anos era um inicio de carreira tardio mas que viria a revelar os seus frutos.


O final da década de 80 mostrou um Freeman em grande forma. Depois de vários papeis de sucesso chegava em 1989 a sua primeira nomeação ao óscar de Melhor Actor pelo notável desempenho de chauffer em Driving Miss Daisy. Poderia ter sido o primeiro negro a erguer a estatueta em vinte e cinco anos mas a vitória acabou por ir parar às mãos de Daniel Day-Lewis. Mas esse tinha sido um grande ano para o actor. Johnny Handsome e especialmente Glory - que marcou igualmente a ascensão de Denzel Washington e o seu primeiro óscar - mostraram que era já um actor de eleição.
The Bonfire of Vanaties e um interessante Robin Hood : The Prince of the Thieves marcaram a viragem de década mas seria no aclamado Unforgiven que Freeman voltaria a destacar-se dos demais.
Em 1994 chegava a sua terceira e última nomeação ao óscar, pelo seu assombroso desempenho como Red em The Shawshank Redemption. Derrotado por Tom Hanks, o veterano Freeman começava a caminhar para o restrito grupo dos injustiçados.


O ano seguinte abriu com mais um excelente desempenho em S7ven, seguindo-se Outbrake e Moll Flanders, dois filmes extremamente interessantes. Em 1997 voltava à ribalta com Amistad, o épico falhado de Steven Spielberg, e faria de presidente dos Estados Unidos (o primeiro negro a faze-lo) em Deep Impact. Cada vez mais respeitado, a verdade é que nos últimos anos foram papeis mais leves aqueles que deram notoriedade a Freeman. De Nurse Betty a Bruce Almighty (de novo o primeiro negro a fazer de Deus) passando por Levity, Dreamcatcher, The Sum of All Fears e Along Came a Spider.
Para este ano há uma leve esperança de voltar a ver Freeman num daqueles papeis oscarizáveis em The Million Dollar Baby de Clint Eastwood. Caso contrário há já dez projectos confirmados para os próximos dois anos, de Batman Begins a Edison passando por A Long Walk to Freedom onde viverá a mitica personagem de Nelson Mandela.

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Richard Gere

Muitos dizem que passou ao lado de uma grande carreira. Outros apontam Chicago para mostrar que ainda vai a tempo de se emendar. E depois há aqueles que nunca foram com o seu estilo de sedução. Mas talvez o seu grande mérito seja mesmo esse. Nunca deixar ninguém indiferente.

Nascido a 31 de Agosto de 1949 em Philadelphia, Richard Tiffany Gere tornar-se-ia num dos maiores icones sexuais dos últimos vinte e cinco anos.
Desde sempre mostrou aptidões artisticas. Primeiro na música e depois no teatro. Pelo meio foi igualmente um desportista de excepção, conseguindo uma bolsa para a Universidade de Massachustes, onde se doutorou em filosofia. Depois passou para o teatro, onde, em 1973 em Londres, se estreou na peça Grease. Depois de mais algumas peças de teatro bem sucedidas, Gere estreou-se em grande no poético Day´s of Heavan de Terence Malick. Depois fez uma, a primeira, viagem espiritual ao Tibete, em 1978. Começaria aí também a sua carreira como humanitarista.
Dois anos depois conseguia o seu primeiro papel de destaque no cinema em American Gigolo, um papel que o marcaria para sempre como um icone sexual do público feminino dos anos 80.


Depois do seu primeiro grande sucesso da década, chegaria depressa o segundo em 1982 no filme An Officer and a Gentleman, onde contracenava com Debra Winger e Louis Gosset Jnr. Mais uma vezo filme teve sucesso na bilheteira e na critica. Mas Gere já tinha deixado os EUA fazendo uma viagem pela America Central, em periodo de conflito, para ajudar os refugiados.
Seguir-se-iam alguns fracassos como King David, No Mercy, Power e Milles From Home, antes de surgir um sucesso com Gere. Seria Internal Affairs. O filme recolocou Gere no mapa, mas foi o seu desempenho ao lado de Julia Roberts em Pretty Woman que voltou a fazer dele uma capa de revista. Depois disso ainda houve Sommersby mas a verdade é que a sua carreira voltou rapidamente a decair.


Entretanto o actor tinha casado com a super-modelo Cindy Crawford. O casamento acabaria em 1995 com a modelo a insinuar que o marido era homossexual. Gere riu-se, voltou a casar e hoje é pai de um filho. First Knight mostrou um Gere mais virado para o cinema de acção, mas a verdade é que durante quase meia década o seu nome desapareceu do mapa. Recusou o papel de John MClain, que viria a ser de Bruce Willis em Die Hard. Nem filmes como Primal Fear ou The Jackal voltaram a consolidar o seu nome. E para ter um verdadeiro sucesso de bilheteira foi preciso juntar-se de novo com Julia Roberts em 1999 no filme Runaway Bride.
Em 2002 no entanto Gere destacou-se pelo seu papel em Chicago. Venceu o seu primeiro Globo de Ouro e muitos achavam que a redenção da sua carreira tinha chegado. Mas a Academia nem o nomeou (apesar do filme ter ganho vários óscares incluindo o de Melhor Filme, Actriz e Actriz Secundária) e de repente Gere voltou ao desconhecido.
Hoje Gere preocupa-se mais em ajudar os mais desfavorecidos, como o povo tibetano do qual é apoiante ferveroso, do que com a sua carreira. Mas muitos ainda acreditam num regresso de um actor que marcou uma geração.

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Michael Douglas



Ser filho de um dos actores mais carismáticos do periodo dourado de Hollywood não é fácil para qualquer um. Muitos foram aqueles que não conseguiram honrar o nome do pai. Talvez por isso mesmo se perceba que a escolha de uma carreira em moldes diferentes tenha ajudado a consolidar a sua imagem junto de um grande público.

Nascido e criado no mundo do cinema, era pouco provável que figusse dele. Filho do lendário - e felizmente ainda vivo - Kirk Douglas , nasceu a 25 de Setembro de 1944 em New Jersey, na costa leste dos Estados Unidos.
Na verdade Michael cresceu longe do pai. Aos seis anos a separção dos pais fez com que só visse Kirk nas férias, altura em que ele o levava para Hollywood. Apesar desde esses dias ter dito que queria seguir uma carreira de actor, encontrou a oposição do pai que via na indústria cinematográfico algo de prejudicial para o desenvolvimento pessoal de um individuo tal as suas caracteristicas. Mas Michael não lhe deu ouvidos. E depois de algum treino, em 1969 viria a sua estreia profissional em Hail, Hero!. Michael tinha 25 anos. Desde logo catalogado como o "novo Kirk Douglas", preferiu apostar num estilo diferente de interpretação e de papeis. Depois de alguns pequenos papeis no cinema, destacou-se ao lado de Karl Malden na popular serie televisiva The Streets of San Francisco. O sucesso da serie grangeou-lhe vários admiradores. No entanto a sua primeira consagração viria não como actor, mas sim como produtor. One Flew Over the Cuckoos Nest foi o Melhor Filme de 1975, e como produtor do filme, Michael levou para a familia Douglas o primeiro óscar. Com 31 anos tinha ganho o que o pai nunca tivera em trinta anos de carreira.


Depois do sucesso da sua primeira produção, Douglas voltou ao cinema em The China Sindrome, filme que também produziu. Um acidente de viação em 1980 afastou-o durante algum tempo do grande ecrãn e foi na comédia que Michael Douglas se encontraria finalmente. Em três filmes ao lado de Kathleen Turner, Romancing the Stone, The Jewel of the Nile e The War of the Roses, conseguiu os seus primeiros sucessos de bilheteira. Em 1987, no seu primeiro papel sério - depois de ter igualmente estrelado Fatal Atraction - venceu o óscar de melhor actor pelo seu desempenho em Wall Street. Uma vitória contestável mas que acabou por confirmar a sua tendencia ganhadora. Tornou-se o segundo homem, a seguir a Lawrence Olivier, a vencer um óscar por Melhor Filme e por Melhor Actor. Algo que mais ninguém até hoje conseguiu.


Depois de uns anos parado, Michael voltou em grande estilo em 1992 no filme Basic Instinct. Ao lado de Sharon Stone, ajudou a popularizar este trhiller erótico e voltou a conseguir um exito de bilheteira. Seguir-se-iam filmes mais leves como The American President, The Ghost and the Darkness e o notável The Game. A sua carreira tinha agora estabilizado em pequenas produções de sucesso como A Perfect Murder ou Wonderboys, os seus trabalhos de maior destaque no final dos anos 90. O sucesso de Traffic em 2000 podia ter ajudado a revitalizar a sua carreira mas isso não acabou por acontecer. Douglas continua a cultivar a sua faceta de produtor (já produziu filmes como Starman e Face Off) e agora é mais celebre pelo seu milionário casamento com a actriz galesa Catherina Zeta-Jones do que pelo que faz no cinema. Mas a verdade é que é um nome marcante da história do cinema dos últimos vinte e cinco anos e merece todo o mérito por isso.

sábado, 13 de janeiro de 2018

Pierce Brosnan

Se fizermos uma pequena sinopse da carreira deste interessante actor irlandes, vemos imediatamente um nome que nos salta à vista. De facto foi a mitica personagem James Bond que deu um outro destaque a Brosnan. Com o seu charme e distinção soube ressuscitar um mito, tornando-se ele mesmo numa figura incontornável do cinema de hoje.

Nascido a 16 de Maio de 1953 em Drogheda na Irlanda, Pierce Brosnan tornou-se num dos maiores simbolos irlandeses de hoje. E isso graças à sua notável performance como o mitico 007 numa serie de quatro filmes.
Ainda jovem mudou-se da Irlanda para Inglaterra, sem o pai que tinha abandonado a familia. Foi um padrasto que o criou e o levou a ver o seu primeiro filme quando tinha 11 anos. O filme era, curiosamente, Goldfinger. E foi aí que Brosnan se apaixonou pela representação, tendo anos mais tarde começado a estudar dramaturgia. Em 1979 teria o seu primeiro papel no filme Resting Rought. E seria em pequenos papeis que Pierce Brosnan se formaria como actor. O grande salto para a fama chegaria anos mais tarde. Em 1982, com 29 anos, estreou-se como protagonista em Remington Steele. A serie viria a tornar-se uma das mais populares da década no Reino Unido, e granjeria muitos apoios a Brosnan. De tal forma que em 1986 ele foi o nome escolhido para suceder a Roger Moore como James Bond. Mas o contracto que o ligava à serie impediu-o de ser Bond. Mais tarde o destino cumprir-se-ia, ainda por mais porque Timothy Dalton nunca soube convencer os fãs de 007.


Com o final de Remington Steele, no fim da decada de 80, Brosnan começou a trabalhar em filmes que se revelaram verdadeiros fracassos. Pior aconteceria em 1990 quando a sua primeira mulher, Cassandra Harris, morria nas suas mãos, depois de completaram dez anos de casados. Deixou Brosnan como um viuvo inconsolável e tres filhos nos braços. Durante muitos anos a morte da mulher afectou Brosnan que continuava a não ver a sua carreira descolar. Depois de alguns trabalhos para a televisão, eis que a carreira de Brosnan dá uma volta de 180º graus. Dalton falhara em convencer e fizera apenas dois filmes como 007. Os produtores da serie queriam de novo Brosnan e desta vez o actor irlandes não se fez rogado. Em 1995 estreou-se em Goldeneye e pela primeira vez em quinze anos, o filme foi um sucesso estrondoso. Brosnan tinha feito o que poucos conseguiriam: recuperar um icone da cultura contemporânea e levá-lo a bom porto neste novo mundo impiedoso para personagens como Bond.
Depois do sucesso do filme, começaram a chegar convites para outros projectos de sucesso como Dante´s Peak, Robinson Crusoe e Mars Attack. Em 1997 chegava um novo Bond, Tomorrow Never Dies, e mais um considerável sucesso.


Desde aí a sua carreia consolidou-se. Em The Thomas Crown Affair, mostrou que o seu charme não é exclusividade dos filmes de 007. Em The Nephew estreou a sua recém-fundada produtora. E um segundo casamento com Kaily Shie-Smith, que resultou em mais dois filhos, tornou-o um homem feliz. The Tailor of Panama e The World is Not Enough mantiveram-no em alta. Só que a situação viria a mudar subtilmente em 2002. No final de Die Another Day, Brosnan mostrou-se cansado de Bond. A personagem tinha estagnado e os filmes começavam a vulgarizar-se. Brosnan queria mudar o estilo da personagem. Um dia chegou mesmo a dizer que queria "matar Bond." O estúdio não gostou e afastou-o do próximo projecto. O seu sucessor ainda não foi escolhido mas terá uma dificil tarefa em mãos. Já o futuro de Brosnan parece interessante. Este ano estreou After the Sunset, o que se pensava ser a sequela de The Thomas Crown Affair, mas em 2005 apresentará a verdadeira sequela do seu maior sucesso fora do universo Bond em The Topkapi Affair.
Pierce Brosnan é um verdadeiro embaixador do charme, e um actor que prova que o talento e a subtileza de uma interpretação de tons sedutores pode ser mais uma arma do que um contra-tempo. Resta saber se o futuro mostrará Brosnan algo mais que a sombra de um agente secreto conhecido de todos.



quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Liam Neeson


Ao longo de vinte e cinco anos de carreira as suas performances ficaram sempre indelavelmente marcadas por um enorme carisma. Caracteristica que ele trouxe do calor humano dos pubs para os corações de algumas personagens mais importantes dos nossos dias. Um actor que merece mais crédito do que lhe parecem querer dar...

Este filho da Irlanda nasceu a 7 de Junho de 1982 em Bayllimena, na Irlanda do Norte. Mais tarde usaria toda a sua aprendizagem pessoal para recriar a personagem de Michael Collins.
Desde muito jovem aprendeu que precisa de trabalhar para ganhar a vida. Fez um pouco de tudo, desde operário na mitica fábrica Guiness a camionista, passando pelo boxe amador. Apesar de ter intenções de se tornar professor de inglês, em 1976 inscreveu-se no Belfast Lyric Players' Theater pelo qual se estreou no mesmo ano como actor profissional. A partir daí a sua carreira ficaria marcada por estes primeiros anos no meio teatral de Dublin.


John Boorman reparou nele e decidiu escolhe-lo para entrar no seu Excalibur. Estavamos em 1981 e apesar de alguns pequenos papeis nos anos anteriores, esta seria a sua verdadeira estreia cinematográfica.
Durante a década de 80, Neeson dividiria a sua carreira pelo teatro, televisão e cinema, com relativo sucesso.
Na serie televisiva Ellis Island conheceria a sua futura mulher, Natasha Richardson, da qual tem hoje dois filhos. Apesar disso o casamento aconteceria mais tarde, tendo Neeson durante uma década namorado com algumas das estrelas de Hollywood como Brooke Shields e Julia Roberts.
No cinema o filme Bounty em 1984 e The Mission em 1986 deram-lhe notoriedade, algo que só no final da década, em Darkman, conseguiria de novo. Por essa época brilhava igualmente em grande estilo nos palcos londrinos.


O inicio da década de 90 iria consolidar definitivamente o seu nome em Hollywood. Primeiro em Husbands and Wifes de Woody Allen e depois em Ruby Cairo. Em 1993 o papel que lhe deu fama. Escolhido por Steven Spielberg para viver Oskar Schindler, Neeson conseguiu o seu melhor desempenho até então. O filme, Schindler´s List, foi o grande vencedor dos óscares desse ano mas Neeson não passou da nomeação, a única até hoje.
No ano seguinte estaria ao lado de Jodie Foster em Nell e Rob Roy mostraria um Neeson mais virado para a acção em 1995. Chegou a ser considerado para James Bond, mas perdeu a corrida para o compatriota Pierce Brosnan.
No entanto em 1996 chegou a sua melhor performance de sempre como o revolucionário irlandes, Michael Collins no filme homónimo. Apesar de ter falhado em convencer a critica, será sempre uma das prestações mais aclamadas desse ano.


Depois de três anos de pouca actividade, novo papel de destaque, desta feita no inicio da segunda trilogia de Star Wars. Em Phantom Menace, Neeson mostra todos os seus dotes de espadachim enquanto dá uma profundida dramática ao filme. Seria o seu último grande desempenho em quase cinco anos. Um periodo de prestações menos felizes marcaria a viragem de século para o irlandes. Seria preciso chegar Gangs of New York e Love Actually para que Liam Neeson conseguisse relançar a sua carreira junto do grande público. Este ano já, vai ser a estrela de Kinsey, filme pelo qual cogita-se que pode conquistar uma segunda nomeação ao óscar. E já para 2005 tem agendado Kingdom of Heavan e Batman Begins. A prova de que um grande actor está sempre vivo, mesmo quando menos o esperamos.

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Kevin Spacey


Com uma carreira marcada por altos e baixos, a curiosidade centra-se à volta do facto que os altos coincidem sempre com uma estatueta dourada. Não é regular, nem explosivo. Apenas cerebral e emotivo. É um dos nomes mais interessantes do cinema dos anos 90. É o homem que se apaixonou por rosas...

Nasceu a 26 de Julho de 1959 em South Orange, no estado de New Jersey com o nome de Kevin Spacey Fowler.
Sempre teve uma infancia conturbada. Depois de ter acidentalmente colocado a própria casa a arde, os pais enviaram-no para uma Academia militar onde foi expulso pouco depois por agredir um colega. Daí saltou para um liceu local - já vivia na Califórnia - onde conseguiu catalizar a sua tendencia violenta para a representação. Apaixonou-se pelos palcos e começou a entrar em peças amadoras com relativo sucesso. Indeciso, mudou de escola várias vezes, nunca tendo conseguido um diploma universitário. Estava ansioso por começar a trabalhar. Passou pela Broadway com sucesso, onde ganhou um Tony em 1991, e foi ao trabalhar com o seu mentor Jack Lemmon, que começou a ganhar vontade de dar o salto para o cinema.


Sempre preferiu papeis secundários a papeis principais por achar que assim tinha mais tempo para construir as suas personagens. E foi assim que moldou toda a primeira parte da sua carreira, desde a estreia em Heartburn até Glengarry Glenn Rose. A sua primeira grande consagração chegaria em 1995. Primeiro como serial-killer em S7ven e depois como Verbal Klint em The Usal Suspects. A sua notável construção de personagem valeu-lhe a primeira nomeação e vitória ao óscar de melhor actor secundário. A sua carreira estava agora em alta. Começou a trabalhar ao lado de grandes nomes como Al Pacino em Looking for Richard, e estreou-se como realizador em Albino Alligator, filme que recebeu boas criticas em 1996. O ano seguinte voltaria a mostrar um Spacey em grande forma no notável LA Confidential e ainda no filme de Clint Eastwood, Midnight in the Garden of Good and Evil.


Em 1999 teve o seu melhor ano de sempre. Abriu o ano a deixar a sua marca no Hall of Fame de Beverly Hills e fechou-o a receber o óscar de melhor actor pelo seu fabuloso desempenho em American Beauty. Era o ponto mais alto da sua carreira. Com uma personagem solta e extremamente interessante, Spacey construiu uma performance notável e chegou mesmo a ver algumas revistas a elegerem-no como o maior actor da década de 90.
Depois da consagração na noite dos óscares, Spacey esteve em destaque em K-Pax e The Shipping News. Seguir-se-iam anos dificeis com desempenhos menos aplaudidos em The United States of Leland e The Life of David Gale. No entanto um regresso estilo pode estar iminente, já que o seu mais recente trabalho, Beyond the Sea, tem andado nas cogitações de alguns para os óscares do próximo ano. O homem que sempre que é nomeado revela-se vencedor, poderá tornar-se num alvo a abater para os "jovens lobos" di Caprio, Foxx e Farrell.

domingo, 7 de janeiro de 2018

Paul Newman

Uma das maiores lendas vivas da 7º arte. Começou a brilhar ainda na década de 50 e tornou-se no herdeiro natural de James Dean. Ganhou estatuto e tornou-se no maior injustiçado da Academia até à década de 80. Hoje é um veterano de respeito. Mas mantém aquele brilho único no olhar...

Nasceu a 26 de Janeiro de 1925 no Ohio com o nome de Paul Leonard Newman. O pai dirigia uma loja de desporto e daí começou a paixão de Paul por tudo o que envolvia desporto. Começaria pelo baseball e acabaria nas corridas de automóveis. Competiu, comprou uma equipa, e hoje é um respeitado elemento do mundo de competição automóvel. Depois de ter começado a representar na escola, foi chamado para a 2º Guerra Mundial onde serviu na Marinha norte-americana da qual foi dispensado em 1946. Passou para os estudos universitários em Kenyon College. Daí passou para Yale onde estudou dramaturgia. Depois rumou a Nova Iorque para aprender no respeitado Actor´s Studio, ao lado de nomes como Marlon Brando, Montgomery Clift e James Dean. Passou pela Broadway onde fez Picnic, em 1953 (mais tarde Joshua Logan adaptaria o filme ao cinema mas preferiu William Holden)e estreou-se no cinema em 1954. The Silver Chalice foi tão mau que Newman reconsiderou mesmo manter o contracto com a Warner. Mas depois morreu James Dean e o jovem loiro de olhos azuis ficou com o seu lugar em Somebody Up There Likes Me. O filme foi um sucesso e Paul Newman deu o primeiro passo para a fama.


The Long Hot Summer, The Left Handed Gun e o notável Cat on a Hot Thin Roof marcaram os seus anos seguintes de carreira. Com o apagamento de Brando e Clift, ele era agora o simbolo vivo do "Metodo". Era já uma estrela, tanto pelo seu talento como pelo enorme sex-appeall que faz ainda hoje dele um dos actores mais sensuais da história. Em The Hustler teve uma performance memorável e muitos pensaram que seria o seu primeiro óscar. Mas aí começaria uma longa espera de 25 anos. Nem no notável Sweet Bird of Youth (1962), nem em Hud (1963) ou em Cool Hand Luck (1967) conseguiu a ansiada estatueta. Pelo meio trabalhou com Hitckock em Torn Curtain e casou com a parceira de The Long Hot Summer, Joanne Woodward, o mais longo e duradouro casamento de Hollywood. Para ela fez Rachel, Rachel em 1968, a sua estreia na realização. The Effect of Gamma Rays on Man-on-the-Moon Marigolds (1972) e Glass Menagerie (1982) seriam os seus outros dois filmes como realizador, sempre com a mulher como protagonista.


A entrada na década de 70 começou com a parceria com Robert Redford em The Butch Cassidy and the Sundance Kid. Em The Sting repetiriam a dose e mais uma vez o óscar ficava adiado. The Mackintosh Man, Towering Inferno e The Drowning Pool foram outros sucessos da década de 70. Já com 5 anos, Newman continuava uma estrela. A sua boa forma era visivel na forma como corria. Em 1979 foi segundo nas 24 horas de Le Mans ao volante de um Porsche. E em 1981 voltaria em grande com Absence of Malice. Seguir-se-ia The Veredict, onde todos pensavam que seria consagrado. Não foi e teve de esperar pelo filme seguinte, quatro anos depois, The Color of Money, a sequela de The Hustler, para vencer o óscar. Uma vitória justissima que só pecava por tardia. A partir daí a sua carreira abrandou. Começou a dedicar-se à equipa Newman e a sua empresa de alimentação. Em 1990 voltaria a representar ao lado da mulher em Mr and Mrs Bridge e quatro anos depois conseguiria uma das suas melhores performances de sempre em Nobody´s Fool. Daí até hoje seguir-se-iam pequenos papeis secundários em Message in a Bottle ou Rode to Perdition, onde conseguiu a sétima e última nomeação ao óscar até ao momento.


O homem que nunca viu um filme seu e que diz que o seu som favorito é o de um motor V8 em alta rotação, é hoje o maior actor vivo. Uma lenda do cinema, um homem marcante, e um icone de toda uma geração. 




sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Paddington 2

Paddington 2


Género: Aventura, Comédia, Familiar
Data de estreia: 07/12/2017
Título Original: Paddington 2
Realizador: Paul King
Actores: Luís Franco Bastos, João Baião, Guilherme Filipe, Ana Catarina
Distribuidora: NOS Audiovisuais
País: Reino Unido, França
Ano: 2017
Duração (minutos): 117
Versão: Dobrado

Sinopse:
A sequela muito antecipada do filme de família com grande êxito a nível mundial encontra Paddington alegremente instalado em casa da família Brown, em Windsor Gardens, onde se tornou um membro popular da comunidade, espalhando alegria e doce de laranja onde quer que vá. Enquanto procura o presente perfeito para o centésimo aniversário da sua querida Tia Lucy, Paddington encontra um livro de pop-up único, na loja de antiguidades do Sr. Gruber, e embarca numa série de trabalhos estranhos para o poder comprar. Mas quando o livro é roubado, está nas mãos de Paddington e dos Brown desmascarar o ladrão...

Informação retirada daqui

Suburbicon

Suburbicon


Género: Thriller
Data de estreia: 28/12/2017
Título Original: Suburbicon
Realizador: George Clooney
Actores: Julianne Moore, Matt Damon, Oscar Isaac
Distribuidora: NOS Audiovisuais
País: EUA
Ano: 2017
Duração (minutos): 116

Sinopse:
Suburbicon é o lugar perfeito para instalar uma família, e no verão de 1959 a família Lodge está a fazer isso mesmo. No entanto, a fachada de tranquilidade esconde uma realidade perturbadora e Gardner Lodge, o patriarca da família Lodge, terá de navegar os bastidores sombrios dos subúrbios, as suas traições, mentiras e violência.

Informação retirada daqui

A Estrela de Natal

A Estrela de Natal


Género: Animação, Aventura, Comédia
Data de estreia: 30/11/2017
Título Original: The Star
Realizador: Timothy Reckart
Actores: Pedro Fernandes, Eduardo Frazão, Nilton, António Raminhos
Distribuidora: Big Picture Films
País: EUA
Ano: 2017
Duração (minutos): 86
Versão: Dobrado

Sinopse:
Neste filme da Sony Animation Studios, um pequeno mas valente burro, chamado Bo, sonha com uma vida para além da existência corriqueira na sua aldeia. Um dia ganha coragem para se libertar e iniciar a aventura dosseus sonhos. Na sua viagem junta-se a Ruth, uma adorável ovelha que se perdeu do rebanho e a Dave, uma pomba com grandes ambições. Juntamente com três camelos sábios e outros tantos excêntricos animais do estábulo, Bo e os seus novos amigos seguem a Estrela e tornam-se os improváveis heróis na maior história alguma vez contada - o primeiro Natal.

Informação retirada daqui

Wonder - Encantador

Wonder - Encantador


Género: Drama
Data de estreia: 07/12/2017
Título Original: Wonder
Realizador: Stephen Chbosky
Actores: Jacob Tremblay, Owen Wilson, Izabela Vidovic
Distribuidora: PRIS
País: EUA
Ano: 2017
Duração (minutos): 113

Sinopse:
Auggie Pullman é um menino que nasceu com uma malformação facial e por consequência está a ser alvo de bullying por parte dos colegas. Mas a sua força interior e a capacidade de mostrar a sua verdadeira essência vão fazer com que todos entendam que ele é apenas mais uma criança comum, e que a beleza não está na aparência.

Informação retirada daqui

Ele vem à Noite

Ele vem à Noite


Género: Mistério, Terror
Data de estreia: 28/12/2017
Título Original: It Comes at Night
Realizador: Trey Edward Shults
Actores: Joel Edgerton, Christopher Abbott, Carmen Ejogo
Distribuidora: NOS Audiovisuais
País: EUA
Ano: 2017
Duração (minutos): 92

Sinopse:
ELE VEM À NOITE é um thriller de terror psicológico centrado num adolescente (Kelvin Harrison, Jr.), que se vai deparando com crescentes horrores - externos e internos - durante o rescaldo de um misterioso cataclismo.

Informação retirada daqui

Jumanji - Bem-vindos à Selva

Jumanji - Bem-vindos à Selva


Género: Ação, Aventura, Comédia
Data de estreia: 21/12/2017
Título Original: Jumanji: Welcome to the Jungle
Realizador: Jake Kasdan
Actores: Dwayne Johnson, Karen Gillan, Kevin Hart
Distribuidora: Big Picture Films
País: EUA
Ano: 2017
Duração (minutos): 119

Sinopse:
Quatro estudantes da escola secundária descobrem uma antiga consola de jogos de vídeo, da qual nunca tinham ouvido falar - Jumanji - e são de imediato transportados para o ambiente de selva do jogo, transformando-se, literalmente, nos seus próprios avatares: Spencer, um viciado em gaming, transforma-se num aventureiro cerebral (Dwayne Johnson); a estrela do futebol, Fridge, perde (e são estas as suas palavras) “o primeiro meio metro do seu corpo”, transformando-se em Einstein (Kevin Hart); Bethany, uma das miúdas populares, transforma-se num professor de meia idade (Jack Black); e a tímida Martha transforma-se numa guerreira destemida (Karen Gillan).

Informação retirada daqui

Kevin Kostner


De um momento para o outro, um dos maiores valores da industria cinematográfica desapareceu do mapa. Uns dizem que foi por não ter aguentado três fracassos seguidos. Outros dizem que planeia um regresso em grande. De promessa a certeza, de certeza a desilusao, de desilusão a desaparecido. E agora como é?

Quando irrompeu em meados dos anos 80 trazia uma lufada de ar fresco à representação norte-americana, à época ainda muito dependente dos veteranos da geração de 65 (a de 75 não tinha vingado). Com um punhado de papeis assumiu-se imediatamente como uma referência da sua geração mas em meados dos anos 90 eclipsou-se por completo. Resta saber que Kevin Costner ficará para a história. O dos óscares de Dances With Wolves ou o dos falhanços como Waterworld?

Nasceu a 18 de Janeiro de 1955 na Califórnia. Baptizado Kevin Michael Costner, era o terceiro filho de um casal humilde. O facto do trabalho do pai exigir constantes deslocações de terra em terra, o jovem Kevin nunca criou raizes. Mas desde cedo mostrou ser multi-talentoso. Escrevia, recitava poesia e ao mesmo tempo conseguia ser o melhor em todos os desportos da sua escola. Aventureiro, costumava construir canoas para navegar pelos rios da Califórnia sozinho, procurando a aventura e a excitação do momento. Em 1997 entrou na California State University onde se formou com sucesso em Economia. Na mesma altura em que casava, com 23 anos, com a namorada de liceu, Cindy Silva, Kevin Costner começou a ter licções de representação dramática todas as noites. Estava decidido em tornar-se actor. A vida corria-lhe bem, mas, segundo a lenda, um dia encontrou Richard Burton que o convenceu a deixar tudo pelo amor à representação. E asim foi. Costner despediu-se, foi para Hollywood e trabalhou como camionista e operário para se sustentar enquanto procurava uma oportunidade na Meca do Cinema. Chegou a fazer filmes pornográficos no inicio dos anos 80, mas foi em 1983 que surgiu a sua oportunidade. As suas cenas no filme The Big Chill acabaram por ficar na sala de montagem mas o realizador do filme tinha gostado do que viu. E começou a pensar em Costner para o futuro.


O realizador era Lawrence Kasdan e decidiu apostar em Costner para o seu western alternativo: Silverado.
O filme foi um tremendo sucesso e Costner saltou de rompante para a ribalta. Começava um periodo dourado que duraria sensivelmente uma decada. Nos anos seguintes rejeitaria entrar em Platoon - por achar que ofendia o exército norte-americano - apostando no filme de Brian de Palma, The Untouchables. O filme foi um sucesso e Costner era cada vez mais uma das estrelas do momento.
Depois de No Way Out e Bull Durnham, novo grande papel no poético Field of Dreams. Mas, mais do que isso, foi nesse ano de 1989 que Costner começou a rodar aquele que viria a ser o filme mais marcante da sua carreira.


Dances With Wolves era um filme improvável. Um filme pacifista, conciliador e extremamente cinematográfico, privilegiando as paisagens às interpretações. Mesmo assim acabou por ser o grande vencedor da noite dos óscares de 1990, com Costner a subir por duas vezes ao palco. Primeiro para receber o galardão de Melhor Realizador, naquele que era o primeiro filme que dirigia, um facto praticamente inédito. E no final da noite para reclamar o óscar de Melhor Filme. Para trás tinha ficado a derrota na categoria de Melhor Actor, mas a verdade é que o filme foi um sucesso retumbante e Costner tinha-se finalmente afirmada como uma das estrelas de Hollywood.
E em alta estava de facto a sua carreira. Depois da consagração em 1990, o seu melhor ano em 1991.
Primeiro no blockbuster Robin Hood : Prince of Thieves, em que ao lado de Morgan Freeman e Alan Rickman dá vida a uma das mais miticas personagens da literatura britânica. O filme foi um enorme sucesso de bilheteira apesar da critica não ter gostado de ver o seu novo menino bonito a descer do belo para o explosivo. Mesmo assim Costner seria ainda a estrela de um dos filmes mais aclamados do ano, JFK. Vivendo o procurador Jim Garrison, este filme de Oliver Stone mostrava ao mundo o caso Kennedy em toda a sua negritude. E Costner era peça essencial no puzzle. No final o filme teve 8 nomeações ao óscar (ganhou apenas duas) mas Costner foi esquecido. Muitos acharam estranho, mas esse seria o primeiro sinal de que a industria lhe tinha voltado as costas.


Depois de Bodyguard, filme que tentou mais promover Whitney Houston do que tentar convencer os espectadores da narrativa, houve o interessantissimo A Perfect World, filme dirigido por Clint Eastwood, na altura em grande depois da consagração de Unforgiven. Mais uma vez Costner transformou-se para conseguir um dos papeis mais interessantes do ano. E mais uma vez foi ignorado por tudo e por todos.
Lembrando-se do sucesso de Silverado, Costner tentou de novo recuperar o western e dirigiu Wyatt Earp, mas longe do que conseguiu Kasdan, viu o filme ser apupado pela critica e ignorado pelo publico. Foi então que Costner decidiu fazer o maior filme de sempre. Era um dos orçamentos mais caros da história do cinema mas a verdade é que se tornou também o maior fracasso de sempre. Waterworld podia ter significado o final da sua carreira. Afinal poucos são os actores-realizadores que sobrevivem a um fiasco daquele genero. Mas Costner sobreviveu apenas para se meter noutro sarilho, o futurista The Postman. Tal como o antecessor, também este filme fracassou em toda a linha. Costner estava acabado diziam todos em Hollywood.


E assim parecia de facto. Foi então que o Costner-realizador passou para segundo plano, voltando o Costner-actor. Os seus papeis em Message in a Bottle e For The Love of The Game mostraram um Costner rejuvenescido. Afinal ainda não estava acabado. Em 2000 o seu desempenho em Thirteen Days foi aplaudido por alguns sectores, apesar do filme não ter tido o sucesso desejado. Mas o que parecia indicar o regresso do talentoso Costner desfez-se em tres filmes. Primeiro na homenagem a Elvis Presley em 3000 Miles to Graceland, e depois em Dragonfly. Costner tinha voltado a afundar-se e seria o western a revitalizar a sua imagem. Em Open Range, em que voltou a dirigir, Costner mostrou estar a uns furos acima do que tinha mostrado nos últimos dez anos, mas continuava a estar bem atrás do que mostrou ser capaz de fazer.


Para o ano, Costner estará de regresso num dos seus papeis favoritos, jogador de baseball. O filme é The Upside of Anger e muito se fala a propósito da performance de Joan Allen e do elenco de belas teen-stars. Poderá ser um balão de oxigénio para o actor que tem ainda dois projectos para 2005, Rumor Has It e The Turtilla Curtain.
Os fãs do actor estarão desesperados por um come-back em grande nos próximos anos. De grande promessa da geração de 85, Costner é hoje um dos mais mal amados da sua geração. Resta saber se conseguirá voltar a mostrar o seu melhor ou se serão os dvd´s e cassetes a recordarem-nos do que ele foi capaz de fazer.

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Johnny Deep


Ele tornou-se num marco. Não só de cinema alternativo e irreverente mas também de charme e estilo. Hoje Johnny Depp é tido como o actor mais charmoso em actividade, ombreando com gigantes como Paul Newman ou Sean Connery.
Depois de muitos anos a ser considerado uma promessa falhada, este ano ameaça ser o da sua consagração. Preparem-se porque mister Depp chegou à cidade...

As mulheres amam-no. Os homens querem ser como ele. E ele limita-se a ser ele próprio. Irreverente, diferente, com um sentido de humor delicioso, acaba por trazer a sua vida para dentro dos seus personagens dando-lhes um carisma que à partida outro actor não conseguiria. Porque só há um Johnny Depp!

Apesar de ter trajeitos europeus, de possuir um sotaque inglês notável, a verdade é que esta pérola do cinema contemporâneo é do estado do Kentucky, lá no sul dos Estados Unidos. Foi lá onde nasceu a 9 de Junho de 1963. E de facto John Christopher Depp II tem todos os traços de um actor de signo gémeos. As duas caras, o drama e o humor, a morbidez e a leveza. Tudo isso ajuda a torná-lo num dos cinco grandes actores da sua geração.
E quando olhamos para Depp vemos o que ele é. Criado na Florida, onde gostava mais de estar na praia do que propriamente na escola, aos 15 abandonou os estudos para se tornar numa estrela rock. Até teve sucesso. Tocava em bandas de garagem e chegou a fazer a primeira parte de um concerto de Iggy Pop. Mas quando visitou Los Angeles com a sua primeira mulher, e esta lhe apresentou Nicholas Cage, o jovem Depp começou a interessar-se pela vida de actor. E foi assim que em 1984, com 19 anos, entrou no seu primeiro filme Nightmare in Elm Street. Era o seu primeiro papel num tipo de cinema que o acompanharia nos anos seguintes. Em 1986 iria ainda surgir no consagrado Platoon mas seria na televisão que o seu nome saltaria para a ribalta.


A sua primeira grande oportunidade no mundo televisivo chegou em 1987 quando conseguiu um lugar na popular serie 21 Jump Street. A partir daí Depp tornou-se no "queridinho" das raparigas norte-americanas.
Cry Baby continuava a tendência de Depp para vir a ser uma futura estrela de filmes para adolescentes mas então chegou Tim Burton que o resgatou dos filmes "pipoca" e o levou para um mundo bem mais sombrio, um mundo pelo qual Depp se iria apaixonar.
Em 1990 começava uma das mais miticas parcerias actor-realizador dos dias de hoje. O filme era Edward Schissorhands, hoje um filme de culto, na altura um passo em frente na carreira de ambos. Depp transformou-se por completo para viver o angustiado jovem com mãos de tesoura e conquistou aplausos incondicionais de todos, falhando por pouco a sua primeira nomeação ao óscar. Era o primeiro de uma serie de grandes interpretações de Depp.


Depois do sucesso de Edward Schissorhands, Depp fez um cameo em Freddy´s Dead : The Final Nightmare e no ano seguinte surgiria em três filmes bem distintos. Primeiro na primeira experiencia de Emir Kusturica nos Estados Unidos no filme Arizona Dream. Depois em Brenny and Joon, divertida e excêntrica comédia e ainda em What´s Eating Gilbert Grape, profundo drama de Lasse Hallstrom com Leonardo di Caprio a viver o irmão mais novo de Depp.
1994 significava o regresso à parceria com Tim Burton no notável Ed Wood, filme sobre o pior realizador de cinema do mundo. Depp volta a mostrar o seu melhor num papel cheio de vida e garra, tendo sido bastante elogiado. No anos seguinte faria três interessantes filmes. Primeiro, ao lado de Marlon Brando e Faye Dunaway, em Duan Juan de Marco, onde Depp vive um dos seus personagens mais excêntricos, e ainda em Dead Man e Nick of Time.


Aós um ano de interregno Depp volta em 1997 em Donnie Brasco, filme sobre o sub-mundo do crime nova-iorquino baseado em factos reais. Ao lado de Al Pacino, Depp dá uma interpretação dramática de alto nivel e prova que está pronto para encarar todos os desafios.
Nesse ano Depp vai realizar o seu primeiro filme. Rodado ao estilo de Kusturica, e com o amigo Brando no elenco, The Brave foi um fracasso mas ajudou a mostrar uma vontade de evolução na forma de interpretar de Depp que viria a surgir mais tarde. Em 1998 haveria Fear and Loathing in Las Vegas, filme hilariante de Terry Gilliam com um elenco de luxo onde Depp era a estrela mais cintilante. Mas a verdade é que por essa altura a sua carreira estava a precisar de mais um empurrão. E nada melhor do que recuperar pela terceira vez a velha dupla com Tim Burton. E assim foi. Em Sleepy Hollow, provavelmente o melhor filme de 1999, Johnny Depp é absolutamente extraordinário como o céptico Ichabod Crane que é mandado resolver o caso do cavaleiro sem cabeça. Filme e interpretações de alto nivel, que ajudaram a coroar um ano já de si prolifero com dois excelentes trabalhos em The Astronaut´s Wife e The Ninth Gate.


A entrada no novo século far-se-ia dividida em tres pequenos mas interessantes papeis. Primeiro em The Man Who Cried, ao lado de Christina Ricci, com quem trabalhava pela quarta vez, e depois também como cigano em Chocolat, filme de Lass Hallstrom com que já tinha trabalhado anos antes. Para coroar o ano, Depp coroou o elenco de Before Night Falls, filme pelo qual Javier Bardem conquistou a sua primeira nomeação ao óscar. No entanto os seus desempenhos do ano seguinte em From Hell e Blow acabaram por não corresponder às exepctativas e durante um ano ninguém ouviu falar em Depp. E por bons motivos. Durante 2002 o jovem actor já de 39 anos filmou dois papeis que poderão marcar a sua carreira. Primeiro trabalhou em Finding Neverland, filme onde vive o autor das aventuras de Peter Pan. O problema é que o filme teve problemas com a produtora Miramax, e essa achou melhor adiá-lo para 2004. Segundo muitos essa jogada poderá valer o óscar a Depp. Óscar ao qual foi nomeado pela primeira vez já no ano passado graças ao seu absolutamente notável desempenho em Pirates of the Caribean - The Curse of the Black Pearl. A sua personagem - Captain Jack Sparrow - foi das mais espectacularmente compostas dos últimos anos e valeu-lhe o seu primeiro blockbuster, aclamações da critica, vitória no SAG e nomeação ao óscar. Além do mais Depp mostrou de novo a sua versatilidade ao brilhar em Once Upon a Time in Mexico e Secret Window confirmando um ano dourado.Um ano que Depp espera repetir em 2004.


Mas Depp é daqueles homens que não para. Depois de já estar preparado para começar a rodar as duas sequelas de Pirates of the Caribean, há ainda mais cinco filmes para ver com Depp nos próximos dois anos. São eles Libertine, The Corpse Bride, The Diving Bell and the Butterfly, Shantaram, The Rum Diary e a sua quarta participação ao lado de Tim Burton em Charlie Wonka and the Chocolat Factory.


De facto há poucos homens como Jonnhy Depp, quanto mais actores. Uma carreira recheada de sucessos e desempenhos que ficarão facilmente na historia do cinema gravados a letras de ouro. Eleito pela Empire como a estrela mais sexy de sempre da história do cinema, este homem é um Don Juan de Marco dentro e fora das telas. Depois de um casamento falhado no inicio dos anos 80, Depp relacionou-se com as mais bonitas mulheres de Hollywood, antes de se ter juntado com a bela Vanessa Paradis no sul de Fraça, da qual tem hoje dois filhos.
Aliás, ao viver em França Depp prova a sua independencia do star-system norte-americano, é hoje um actor modelo e um dos mais completos artistas da sua geração. A consagração mundial segue dentro de momentos...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Recomendamos