terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Kevin Spacey


Com uma carreira marcada por altos e baixos, a curiosidade centra-se à volta do facto que os altos coincidem sempre com uma estatueta dourada. Não é regular, nem explosivo. Apenas cerebral e emotivo. É um dos nomes mais interessantes do cinema dos anos 90. É o homem que se apaixonou por rosas...

Nasceu a 26 de Julho de 1959 em South Orange, no estado de New Jersey com o nome de Kevin Spacey Fowler.
Sempre teve uma infancia conturbada. Depois de ter acidentalmente colocado a própria casa a arde, os pais enviaram-no para uma Academia militar onde foi expulso pouco depois por agredir um colega. Daí saltou para um liceu local - já vivia na Califórnia - onde conseguiu catalizar a sua tendencia violenta para a representação. Apaixonou-se pelos palcos e começou a entrar em peças amadoras com relativo sucesso. Indeciso, mudou de escola várias vezes, nunca tendo conseguido um diploma universitário. Estava ansioso por começar a trabalhar. Passou pela Broadway com sucesso, onde ganhou um Tony em 1991, e foi ao trabalhar com o seu mentor Jack Lemmon, que começou a ganhar vontade de dar o salto para o cinema.


Sempre preferiu papeis secundários a papeis principais por achar que assim tinha mais tempo para construir as suas personagens. E foi assim que moldou toda a primeira parte da sua carreira, desde a estreia em Heartburn até Glengarry Glenn Rose. A sua primeira grande consagração chegaria em 1995. Primeiro como serial-killer em S7ven e depois como Verbal Klint em The Usal Suspects. A sua notável construção de personagem valeu-lhe a primeira nomeação e vitória ao óscar de melhor actor secundário. A sua carreira estava agora em alta. Começou a trabalhar ao lado de grandes nomes como Al Pacino em Looking for Richard, e estreou-se como realizador em Albino Alligator, filme que recebeu boas criticas em 1996. O ano seguinte voltaria a mostrar um Spacey em grande forma no notável LA Confidential e ainda no filme de Clint Eastwood, Midnight in the Garden of Good and Evil.


Em 1999 teve o seu melhor ano de sempre. Abriu o ano a deixar a sua marca no Hall of Fame de Beverly Hills e fechou-o a receber o óscar de melhor actor pelo seu fabuloso desempenho em American Beauty. Era o ponto mais alto da sua carreira. Com uma personagem solta e extremamente interessante, Spacey construiu uma performance notável e chegou mesmo a ver algumas revistas a elegerem-no como o maior actor da década de 90.
Depois da consagração na noite dos óscares, Spacey esteve em destaque em K-Pax e The Shipping News. Seguir-se-iam anos dificeis com desempenhos menos aplaudidos em The United States of Leland e The Life of David Gale. No entanto um regresso estilo pode estar iminente, já que o seu mais recente trabalho, Beyond the Sea, tem andado nas cogitações de alguns para os óscares do próximo ano. O homem que sempre que é nomeado revela-se vencedor, poderá tornar-se num alvo a abater para os "jovens lobos" di Caprio, Foxx e Farrell.
Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Recomendamos